Sempre amei o silêncio, hoje, com o passar dos anos, amo, muito mais

É na mudez que as minhas memórias se fazem presentes de instantes vividos, desejos secretos e, tímidos por advir. No seu aconchego – silêncio - entrego-me deleitosamente e, agasalho-me.

Escutando o toque melodioso do meu coração, o estremecimento do meu corpo, e, a mansidão dos meus pensamentos.

Sonho.
 
Na fortaleza da minha fantasia, existe uma torre esguia, virada para norte onde grandiosas sentinelas armadas fazem turnos e, vigiam-me.

Irrequieta e, travessa, por vezes, distraio-as.
Liberta, pego nas asas da minha imaginação e, movo-me. Vagueio no altar da minha fantasia, contemplo o momento enovelada no manto das estrelas que a noite gentilmente oferta-me, deixo que a brisa afague os meus longos cabelos loiros enquanto observo no escuro o ressurgimento dela – a lua.


Com ela, a noite se faz desejada e, amada. Afagando o seu convite voo sobre a sua planura. Os meus pensamentos, o meu corpo libertam-se no instante em que sopro da brisa lhe dá a vida.

Quando retorno, enxergo que é no silêncio e, no sussurro que liberto os meus receios, fortaleço os meus desejos e, amenamente encontro-me.

Comentários

  1. Um silêncio reconfortante querida amiga ,amei ler mais um magnifico momento ,muitos beijinhos no coração ,felicidades

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Ballet's Mais Admirados