Tic ... Tac ...


Factos, trágicos que no meu pensamento padecem e, na minha alma se albergam.
Alteio o rosto e, observo, os indicadores do relógio que impávido á minha dor encerra. As horas a passar, os minutos a cessar e, os segundos a fenecerem a compasso com a melodia cardíaca que do lado esquerdo do meu peito encerra.

Vagarosamente, compassadamente e, dolorosamente … Tic … Tac … Tic … Tac …
Ao som da melodia do Tic … Tac … Estropiada, estática, sinto-me …
O meu pensamento debilmente condoído, melindrado e, a minha alma enternecida, prostrada, abatida … assentam-se e, estendem-se sob as minhas mãos apoiadas no meu colo sob os meu joelhos …

Por momentos, cerro os olhos … e, penso …
E agora?!...

O Tic … Tac … mantém-se no velho relógio … e, a melodia que do lado esquerdo do meu peito encerra permanece … mas e, até quando ?!...

Comentários

  1. Gostei, é um poema com fluidez de prosa, no entando mais emocional que racional. parabéns
    Bjs
    Fabrício

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  3. obrigaaaaaaaaaaaaaaaado.
    beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Ballet's Mais Admirados