Com expetativa alvoraçada


... observara por entre a vidraça o despreendimento vagaroso do dia dos braços da noite. Chuvoso, melancólico e, triste semelhante ao estado de alma que assistia-lhe. Semblante pálido, olhar desabitado e, alma dolente prostrara-se diante da nascença do dia por tempo indeterminado.
 
Mais tarde e, lentamente, encaminhara-se para a sala, contraíra o seu corpo no sofá e, tapara o seu rosto fatigado. Extenuada, enfraquecida,  sentira o enlanguescer num fervor tórrido alternando com gélidas sensações que irromperam pelo seu corpo apoderando-se da sua mente dolosas tonturas, semelhantemente.
 
Cerrara o olhar.
 
No seu subconsciente, ela descobrira com o tempo que a vida nem sempre é um conto encantado como lhe narraram na sua infância e, nem sempre um conto assombroso como lhe falaram na idade em que deixou de ser criança e, passara a ser mulher amadurecida. Com o tempo ela descobrira que acontecimentos ruins e, cruéis existem e, o reverso é uma veracidade que assiste-se. Com o tempo descobrira que pessoas impiedosas e, malévolas subsistem e, benévolas e, piedosas persistem. Com o tempo ela descobrira que depende única e, exclusivamente dela a permissão e, ou proibição delas na sua vida.
 
Silenciar ?! Gritar ?!
 
O silêncio adornou os seus lábios, o sussurro empalideceu o olhar ... o seu subconsciente incomodou débeis e, cruéis, semelhantemente, fortaleceu o seu ego.
 
                                                                                         Por quanto tempo ?! Não descobrira, ainda ...

Comentários

  1. Gosto!
    Ainda estou "embrulhado" nas palavras. Há textos que nos deixam dentro.
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Henrique,
      Agradecida pelas suas palavras! :)

      Um beijinho de admiração de mim para si.
      Ana

      Eliminar
  2. Ah, como é bom sentir a dança das suas palavras. Palavras que dançam numa música única, maravilhosa! Beijos, beijos, nobre Amiga!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Machado de Carlos,
      Gentileza, sua.

      Agradecida pelo seu carinho. :)
      Ana

      Eliminar
  3. Poderosas as suas palavras , Ana que me tocam profundamente tal a intensidade da emoção que a inspiraram a escreve-las.Silenciar...nunca! Silenciar apenas o que enfraque-se , mas que nos deixa mais fortes. Beijos Ana . Carla Matos

    ResponderEliminar
  4. "[...] pessoas impiedosas e, malévolas subsistem e, benévolas e, piedosas persistem.[...]

    Pessoas que não sabem ser outra coisa senão elas mesmas

    Um beijo de outros tempos para si Ana,

    ResponderEliminar
  5. Gostei bastante. Belas palavras. Visite o meu:http://almapapel.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Querida amiga.

    Meu desejo para os que habitam
    o meu coração,
    é um mergulho no tempo,
    onde cada dia,
    é um dia de ano novo,
    e cada sonho,
    uma senha a ser descoberta,
    nesta caminhada rumo a alegria.

    Muito obrigado por sua amizade.
    Que sejamos e façamos felizes a cada dia.

    ALUÍSIO CAVALCANTE JR.

    ResponderEliminar
  7. Acabei de conjugar o verbo bailar nesse teu texto. Foi muito prazeroso revisitá-la! Quando der, passe em Lectando-me.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Ballet's Mais Admirados